Follow by Email

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Nem sinto nada, nem te vejo, não te procuro. Antes eu gostava de saber por onde você andava, o que escutava, o que sentia. Desvendar seus pensamentos era meu passatempo preferido e eu hoje não quero mais nada disso. Nos convertemos em algo frio, seco, sem vida. E se há algo aqui chamado amor, já não o reconheço, não posso senti-lo. Amor transformado em indiferença. E não, eu não sinto muito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário